Cerca de cinco mil pessoas que utilizam o transporte público metropolitano de Salvador diariamente serão afetadas com a greve dos rodoviários da empresa Avanço Transportes, anunciada para sexta-feira, 14. O número corresponde apenas as pessoas que usam os ônibus desta empresa diariamente.

No total, a paralisação, que ocorre por tempo indeterminado, contará com a adesão de 180 rodoviários. Serão 30 veículos da empresa que ficarão nas garagens, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários da Região Metropolitana de Salvador (Sindmetro).

A greve vai afetar seis municípios: Madre de Deus, Candeias, Camaçari, São Francisco do Conde, Simões Filho e Santo Amaro. Segundo o Sindmetro, situação ocorre devido ao descumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho 2024, principalmente o registro do trabalho em carteira.

“Por enquanto só os rodoviários da Avanço que rodam em Lauro, em Salvador e fazem o transporte escolar que não vão aderir a greve porque esses já tiveram suas questões trabalhistas regularizadas. Os das outras cidades, não tiveram. A categoria fará essa greve por tempo indeterminado só vai ter fim quando a empresa regularizar a situação de motoristas que estão trabalhando sem carteira assinada”, disse o presidente do sindicato, Mário Cléber, em entrevista ao Portal A TARDE.

Em nota, a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (AGERBA) disse que tem acompanhado a movimentação e que vai montar plano de ação para minimizar os impactos.

“Estamos acompanhando a possibilidade da existência da paralisação pontual da empresa AVANÇO por problemas internos na gestão, pelo sindicato SINDMETRO e perante as empresas do sistema. A Autarquia vai cobrir esta lacuna deixada pela não prestação de serviço caso venha ocorrer no devido dia 17/05/2024 com a ajuda das outras empresas do sistema”, diz a nota.

Retirada de frota

Na manhã desta terça-feira, 14, rodoviários da empresa Avanço Transportes retiraram toda frota das ruas, por volta das 8h30. A justificativa, segundo o Sindmetro, foi a apreensão de CNH dos motoristas. Houve mediação com a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) e a situação foi resolvida com o retorno da frota.

“A informação da apreensão da habilitação de motoristas impedindo a operação das linhas pela empresa Avanço não procede. O que ocorre é a necessidade de recolher os veículos, sendo realizado pelos próprios motoristas da empresa e logo após todos os trâmites, os documentos pessoais são devolvidos”.

A Agerba diz ainda que está trabalhando para melhorar a situação do transporte metropolitano. “Estamos passando por um momento de mudanças, que podem trazer alguns impactos negativos, mas estamos nos organizando para que eles sejam os menores possíveis para os passageiros”.

A Tarde