Secretaria de Saúde de Feira de Santana investiga possível caso de reinfecção pela Covid-19

A Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana, a cerca de 100 Km de Salvador, investiga um possível caso de reinfecção pela Covid-19. A informação foi divulgada nesta terça-feira (20), por Melissa Falcão, que é coordenadora do Comitê de Enfrentamento ao coronavírus no município.

O paciente é um homem de 56 anos que testou positivo pela primeira vez para Covid-19 em junho e voltou a ter o resultado positivo recentemente. Ela explicou que ele apresenta sintomas característicos da doença.

“Temos um paciente do sexo masculino de 56 anos que teve o exame positivo em junho e, agora em outubro, com mais de 90 dias de intervalo, positivou novamente para o coronavírus, com sintomas característicos da doença, apresentando um quadro mais intenso nesta segundo episódio do que no primeiro”, contou.

Feira de Santana foi o primeiro município baiano a registrar casos de Covid-19, no início de março. Conforme o boletim divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), na tarde desta terça-feira, a cidade já tem 14.921positivos do novo coronavírus desde o começo da pandemia.

Até o começo deste mês, Tomba, Sim e Mangabeira assumiam na liderança do número de casos de Covid-19 por bairros na cidade.

Ocupação dos leitos na cidade

Na segunda-feira (19), o Hospital de Campanha atingiu uma marca que desde julho não era vista: 100% de ocupação. Os 10 leitos de UTI estavam ocupados. Já nesta terça, a taxa chegou a 90%, mas porque um dos pacientes morreu.

Há duas semanas, oito leitos de UTI do hospital de campanha foram desativados. Segundo o diretor médico da unidade, os leitos podem voltar a funcionar caso seja necessário.

“Eles podem ser reativados se houver necessidade. Estava tendo baixa ocupação. A média em setembro de ocupação de leitos foi de 7.5 paciente dia. Então, eram muitos leitos para 7.5”, contou Francisco Mota, diretor médico do hospital de campanha.
No Hospital Geral Clériston Andrade, as taxas de ocupação também preocupam. A unidade contava com 40 leitos de UTI exclusivos para o tratamento da Covid-19.

Há mais de uma semana, no entanto, esse número diminuiu. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, 10 dos 40 leitos foram destinados a pacientes com outras doenças graves. Com isso, a taxa de ocupação chegou a 77% na última segunda. Nesta terça, a taxa de ocupação dos leitos de UTI do Clériston Andrade II está em 43%, e dos leitos clínicos em 86%./

Ainda segundo Melissa Falcão, apesar das taxas, o município está numa situação estável.

“Não há um decréscimo importante e nenhum aumento. Mas precisamos ficar alertas para que não haja um novo pico, uma nova ascensão desses números. Não podemos ter um clima de que já acabou”, disse.

Portão Baiano