Deputada federal e pastora Flordelis “atraía frequentadores de igreja para cama”, diz jornal

Um homem, de 48 anos, antigo frequentador da igreja da deputada federal Flordelis, afirmou em depoimento à Polícia Civil que a pastora atraía fiéis para manter relações sexuais com ela. As declarações foram dadas durante as investigações da morte do pastor Anderson do Carmo, marido de Flordelis, que, de acordo com a polícia, planejou o crime. As informações são do jornal Extra.

Segundo a testemunha, ele frequentava a casa de Flordelis e era “obreiro” da igreja na época em que ela funcionava no bairro do Rocha, no Rio de Janeiro. Após um tempo convivendo com a família, ele percebeu o que chamou de atividade incomum, “na qual pessoas que frequentavam os cultos eram atraídas para a casa” para se relacionar sexualmente com a deputada.

Conforme o homem, na época, Flordelis e o pastor Anderson já eram casados. A testemunha relatou, ainda, ter sido seduzida pela deputada em duas ocasiões, mas negou que tenha mantido relações sexuais com ela. Procurada pelo Extra, Flordelis negou as acusações. “Que ele (testemunha) prove isso. É mentira. Isso nunca existiu”, alega.

No final de agosto, a Polícia Civil concluiu que Flordelis foi a mandante do assassinato de Anderson do Carmo. O inquérito aponta que a arma usada no crime foi comprada pela deputada. Flávio dos Santos, filho biológico de Flordelis, é apontado como autor dos disparos que mataram o pastor.
De acordo com as investigações, a deputada estaria insatisfeita com a forma com que o pastor geria o dinheiro da família.

Além de Flordelis, mais dez pessoas foram denunciadas pelo assassinato do pastor na madrugada do dia 16 de junho de 2019 em Niterói. Por exercer mandato parlamentar, Flordelis não pode ser presa neste momento. A defesa dela nega as acusações.