Governadores saem preocupados de reunião com Nelson Teich: ‘ele está perdido’

Governantes enxergam nele um ‘fantoche de Bolsonaro’ e veem o colapso batendo na porta.

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, não tem causado boa impressão nos governadores do Brasil. Segundo a coluna Painel, da Folha, a opinião dos governantes dos estados e do Distrito Federal é de que o novo chefe da pasta não sabe o que está fazendo.

O gatilho que resultou na opinião contrária foi uma pergunta sobre onde os governadores estão comprando respiradores fora do país, feita por Teich em reunião nesta quarta (29). O questionamento foi interpretado pelos presentes como a senha de que o colapso bate à porta. E de que não há sinal de que o governo federal tenha planejamento algum para mudar isso.

Um dos casos mais sérios é o da Bahia. O estado diz precisar de 1.300 respiradores até meados de maio. Teich diz que a produção nacional entrega 180 por semana. Para todo o Brasil.

Teich disse não estar conseguindo realizar compras fora. Os governadores passaram uma lista de dicas de onde adquiriram, da China e da Europa.

Outros pontos das reuniões chamaram a atenção. O ministro falou do Palácio do Planalto e não do Ministério da Saúde, o link da teleconferência foi enviado pela Presidência e o general Braga Netto (Casa Civil) fez as aberturas dos encontros. A impressão foi unânime de que Teich é uma espécie de “fantoche do Bolsonaro”, sendo controlado e observado de perto pelo presidente.

Jornal Correio da Bahia