Neto volta a falar de possibilidade de adiar Carnaval: ‘Poderia ser em julho’

Ele diz que está conversando com prefeitos de São Paulo e Rio para decisão conjunta.

O prefeito ACM Neto voltou a falar nesta segunda-feira (20) sobre a possibilidade de adiamento do Carnaval do ano que vem, afirmando que mantém diálogos com outras cidades que também têm a festa e com representantes do setor. A possibilidade da folia acontecer em julho de 2021 foi citada por Neto, que falou durante inauguração de uma unidade de saúde no Arraial do Retiro. “Estamos achando que poderia, caso seja necessário, poderia acontecer no começo de julho, antes das Olimpíadas”, disse, afirmando que é um calendário que deve ser construído também com ajuda dos envolvidos na festa.

“Nosso limite para tomar a decisão sobre o Réveillon e o Carnaval é novembro, mas pode ser que seja antecipada em função do diálogo que estou travando com prefeitos de outras capitais do Brasil, em especial de São Paulo e do Rio de Janeiro. Penso eu que São Paulo, Salvador e Rio devem tomar decisão conjunta”, defende Neto, afirmando que as outras duas cidades, por conta dos desfiles de escola de samba, precisam decidir antes do que o prazo de Salvador.

Ele diz que por isso a decisão pode ser antecipada. “Estou conversando com empresários, produtores e trabalhadores do setor. Há um sentimento crescente de que essa decisão de fato tenha que ser antecipada, porque todo mundo tem que se organizar. Tudo que eu ouço dos epidemiologistas com que converso, todos os indicativos são de que até fevereiro não teremos uma vacina acessível a todos que traga proteção e segurança coletiva. Assim sendo, não havendo vacina que traga segurança à população, não haverá esse ano Virada, não haverá esse ano Carnaval, não em fevereiro”, destaca.

Sem Carnaval, as datas de festas e lavagens que a precedem também seriam canceladas. “A gente não precisa comentar festa a festa. Se não tiver Carnaval, claro que não vai ter Bonfim, Iemanjá, Santa Bárbara. É óbvio, uma coisa mais do que natural. Ainda não tomamos a decisão oficial do cancelamento, mas o dever de transparência que tenho com a cidade, tenho que deixar claro que o caminho é esse, a tendência é essa”, diz Neto.

O prefeito lembrou que o calendário de festas da cidade já foi bastante comprometido. “Não aconteceu o Festival da Cidade, o São João, não vai acontecer o Festival da Primavera. Não estão acontecendo centenas de eventos que têm apoio do poder público de maneira permanente. A Maratona Salvador, um dos principais eventos esportivos da nossa capital, já cancelei. Não tem como cogitar a maratona”, diz.

Neto também falou que não há “nenhuma possibilidade” de incluir bares e restaurantes na primeira fase da reabertura, como pleiteado pela categoria. “Todas as categorias gostariam de estar incluídas, eu também gostaria que assim fosse. Não tenho nenhum prazer em manter atividades suspensas. A opinião é científica, a orientação é técnica. E tem uma coisa que é fundamental: se a gente abrisse tudo ao mesmo tempo, o que haveria? Um estouro no número de casos da covid. A abertura já traz por si só o risco do aumento do número de casos”, avaliou. “Nós precisamos diminuir o risco, controlar o risco, para que a abertura seja sustentável, para que não fique num vai e vem”.

Depois da primeira fase, que será observada, e com o índice de ocupação caindo mais, será analisado o começo da segunda etapa.

Jornal Correio da Bahia