Polêmica: novo Coordenador jurídico da Guarda Municipal de Salvador é advogado de homem apontado como líder do CP

Nomeado no último dia 12 de maio de 2020, como coordenador jurídico na Guarda Municipal de Salvador, o advogado Ricardo Pombal Nunes teve seu nome envolto numa polêmica de conduta ética. Isto porque, o profissional também atua como advogado de Val Bandeira, suspeito de chefiar o tráfico de drogas em Salvador, fundador da facção CP (Comando da Paz) e integrante do baralho do crime da Secretaria de Segurança Pública.

Questionada pela redação do Aratu On sobre a circunstância, a Coordenadoria de Relações Públicas da Guarda Civil Municipal confirma a veracidade da informação e salienta que “notícias como essa já tem sido divulgadas por outros meios, dentro e fora da instituição, pela imprensa e em grupos nas mídias sociais, contra servidores que de alguma forma participam da gestão da autarquia, sendo parte de uma campanha de retaliação e desgaste que vem sendo, leviana e maliciosamente, promovida por servidor que está tendo os seus interesses contrariados pela administração atual, esta que não cede e não cederá a pleitos ilegítimos e ilegais, nem se dobrará a posturas imorais, mas seguirá zelando pelo interesse público e pela população do Município do Salvador, cumprindo as suas atribuições sempre pautada pela Constituição Federal, pela Lei, pela ética e pela boa moral comum e administrativa, salientando que as medidas e providências legais já estão sendo adotadas”.

Confira a nota completa:

“Em resposta à indagação desse respeitável veículo de comunicação, a Guarda Civil Municipal de Salvador quer esclarecer que o advogado Ricardo Pombal Nunes é o novo Coordenador Jurídico da autarquia desde o dia 12 de maio de 2020, tendo sido nomeado pelo Inspetor Geral para o cargo. Saliente-se que o advogado em questão atua por quase 20 (vinte) anos, sem qualquer mácula na sua vida pessoal ou profissional, atuando como membro da Comissão de Direito Criminal da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional da Bahia já há alguns anos, sendo um profissional probo, bem visto e respeitado na advocacia criminal, que é a sua área de atuação.

Quanto à afirmação de que o mesmo seria advogado do cidadão conhecido por “Val Bandeira”, que se encontra em liberdade e contra o qual não pesam acusações recentes de quaisquer crimes, quer salientar que tal informação é verdadeira, defendendo-o especialmente em processos antigos, nos quais obteve êxito, sendo ainda advogado de tantas outras pessoas que figuram como réus em processos penais, algumas conhecidas pela mídia e outras não, já tendo atuado na defesa de políticos, delegados, policiais civis e militares, empresários, enfim, de qualquer cidadão que o tenha procurado para patrocinar os seus interesses perante a Justiça Criminal, que podem ser realmente culpados ou inocentados ao final dos processos, o que não retira a sua idoneidade ou credibilidade para o exercício do cargo – não devendo existir confusão, identificação ou vinculação entre profissionais de qualquer esfera e os seus clientes, mas, pelo contrário, demonstra tratar-se de um profissional capacitado, experiente e que tem muito a acrescentar e contribuir para o bom desempenho e desenvolvimento dos trabalhos na Guarda Civil Municipal de Salvador, como já tem sido a nossa experiência prática no cotidiano, não havendo incompatibilidade entre o serviço prestado à instituição e a defesa que promove na sua advocacia particular.

Por fim, quer ponderar esclarecer que notícias como essa já tem sido divulgadas por outros meios, dentro e fora da instituição, pela imprensa e em grupos nas mídias sociais, contra servidores que de alguma forma participam da gestão da autarquia, sendo parte de uma campanha de retaliação e desgaste que vem sendo, leviana e maliciosamente, promovida por servidor que está tendo os seus interesses contrariados pela administração atual, esta que não cede e não cederá a pleitos ilegítimos e ilegais, nem se dobrará a posturas imorais, mas seguirá zelando pelo interesse público e pela população do Município do Salvador, cumprindo as suas atribuições sempre pautada pela Constituição Federal, pela Lei, pela ética e pela boa moral comum e administrativa, salientando que as medidas e providências legais já estão sendo adotadas”.

AratuOn