Prefeito de Salvador não descarta cortar salário de professores que não voltarem às aulas na segunda

O prefeito de Salvador, Bruno Reis, não descarta cortar salário de professores que decidirem não retornar às salas de aula na próxima segunda-feira (3), como determina plano de retomada municipal.

“Não vou trabalhar no campo da futurologia. A gente decide com base em fatos concretos. A partir de segunda, com base na realidade, vamos avaliar e tomar nossas decisões”, disse, ao ser questionado sobre um eventual corte, em entrevista ao programa Balanço Geral, da Record TV Itapoan.

Na manhã desta sexta-feira (30), a prefeitura detalhou o plano de retomada das aulas na rede municipal e privada.

Ainda durante a entrevista, Bruno Reis criticou uma suposta politização do tema por parte da Associação dos Professores Licenciados do Brasil – Secção da Bahia (APLB-BA).

“Não pode agora a APLB querer politizar o assunto, que nunca foi tratado no campo da política. […] Não é momento de sindicato querer travar embate político”, disse o prefeito de Salvador.

Um dos argumentos para defender o retorno dos professores às salas de aula é que, até o início das atividades escolares semipresenciais, 80% dos trabalhadores da educação estariam vacinados com a primeira dose da vacina contra a covid-19. Porém, a imunização só é feita quando as duas doses das vacinas em uso no Brasil são aplicadas.

Bnews