Urgente! Hospital do Subúrbio chega a 100% em ocupação de UTI para Covid-19

O novo avanço da pandemia de coronavírus tem causado preocupação para gestão do prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), e para o governador da Bahia, Rui Costa (PT). De acordo com dados da Central Integrada de Comando e Controle da Saúde, da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), três hospitais de Salvador têm taxa de ocupação geral superior a 90% nos leitos para pacientes com covid-19, doença causada pelo coronavírus, são eles: Hospital de campanha Itaigara Memorial com 98%; Hospital do Subúrbio com 100%; e Hospital Sagrada Família com 95%.

Das 14 unidades atendendo pacientes com covid-19 na capital baiana, apenas duas têm mais de 50% dos leitos disponíveis, Hospital Português e o Hospital Geral Ernesto Simões Filho, com 30% e 47%, respectivamente. Além das três unidades acima dos 90%, outras quatro unidades estão com ocupação acima de 75%: Hospital Martagão Gesteira com 80%; Hospital Municipal de Salvador com 80%; Hospital Santa Clara marca 77%; e o Instituto Couto Maia, referência no tratamento, atinge 82%.

Taxa de ocupação geral dos hospitais na capital baiana

– Hospital de Campanha Itaigara Memorial:46/47 (98%) ocupação geral; leitos clínicos 7/7; UTI adultos 39/40

– Hospital do Subúrbio:178/178 (100%) ocupação geral; leitos clínicos 60/60; UTI adultos 118/118

– Hospital Espanhol: 163/239 (68%) ocupação geral; leitos clínicos 67/80; UTI adultos 96/159

– Hospital Evangélico da Bahia: 8/15 (53%) ocupação geral; leitos clínicos 4/5; UTI adultos 4/10

– Hospital Sagrada Família:134/141 (95%) ocupação geral; leitos clínicos 78/81; UTI adultos 56/60

– Hospital Geral Ernesto Simões Filho:21/45 (47%) ocupação geral; leitos clínicos 4/15; UTI adultos 17/30

– Hospital Martagão Gesteira:24/30 (80%) ocupação geral; leitos pediatria 15/20; UTI pediatria 9/10

– Hospital Municipal de Salvador: 43/54 (80%) ocupação geral; leitos clínicos 19/20; leitos pediatria 6/7; UTI adultos 17/20; UTI pediatria 1/7

– Hospital Português:3/10 (30%) ocupação geral; UTI adultos 3/5

– Hospital Santa Clara:46/60 (77%) ocupação geral; leitos clínicos 27/40; UTI adultos 19/20

– Hospital Santa Isabel:16/28 (57%) ocupação geral; leitos clínicos 12/14; UTI adultos 4/14

– Instituto Couto Maia:113/137 (82%) ocupação geral; leitos clínicos 35/39; leitos pediatria 8/10; UTI adultos 63/78; UTI pediatria 7/10

– Maternidade Professor José Maria Magalhães Neto: 3/5 (60%) ocupação geral; UTI adultos 3/5

– Medtower:34/60 (57%) ocupação geral; leitos clínicos 21/40; UTI adultos 13/20

Preocupado com o avanço da pandemia na capital baiana, Bruno Reis sinalizou que até sexta-feira (19) podem ser anunciadas novas medidas restritivas para Salvador. O demista destacou que um lockdown não está descartado, seja de maneira setorizada para bairros específicos ou para toda cidade.

“Nas últimas 24 horas, nós batemos recorde em Salvador de demanda por leitos de covid-19. Foi um total de 97 solicitações, no auge da primeira onda, o dia que tivemos uma demanda maior foi por 60 regulações […] A situação é grave, gravíssima”, alertou o prefeito nesta quarta-feira (17).

O gestor indicou que uma nova variante do vírus deve estar em circulação na capital baiana ao comparar a pressão que o sistema de saúde vem sofrendo atualmente com a da primeira onda, no ano passado.

“Os números estão crescendo, número de casos, número de óbitos, fator RT (medida da taxa de transmissão da covid-19) que está chegando próximo a 1. A velocidade de aceleração está crescendo, mas os números epidemiológicos não justificam essa pressão tão grande nas Unidades de Pronto Atendimento (Upas) e hospitais […]  Na primeira onda, nós tivemos números maiores e com uma pressão menor. O que isso quer dizer, gente? É uma sinalização clara que está circulando uma nova variante muito mais agressiva, onde as pessoas necessitam mais de leitos de UTI e de enfermaria. Isso é real, não tem como inventar números”, declarou o demista.

Bruno Reis defendeu o toque de recolher decretado por Rui para buscar conter a disseminação da covid-19 na Bahia. A medida será válida inicialmente por sete dias, das 22h às 5h, e passar a vigorar a partir desta sexta-feira (19) em 343 cidades baianas. “As pessoas precisam entender, principalmente as do setor produtivo, que essa é uma medida pra chamar a atenção da gravidade do momento que nós estamos enfrentando”, complementou.

Pandemia

De acordo com dados do boletim epidemiológico da Sesab desta terça, a Bahia registrou 66 óbitos por coronavírus e 3.849 novos casos em 24 horas. Desde o início da pandemia, a Bahia registrou 635.494 casos confirmados e 10.864 óbitos por covid-19.

Dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Salvador indicam que a capital baiana contabilizou 136.953 casos e 3.503 óbitos desde o início da pandemia.